Arrulho

arrulho

Crédito imagem: Autogiro Illustration

Ela sentou-se em frente à mesa da gerente. Muito  branca, muito loira, muito tímida, pedia implorando quase, que lhe dessem um empréstimo para fazer seu futuro. Entre uma e outra palavra, soltava um arrulho. A gerente, intrigada, tentava entender de onde vinha aquele barulho. Ouvia. A moça, clara como o dia, começou a contar seu plano de vida. E a medida que o sonho fazia-se em orações, ela ia abrindo os braços e enchendo o peito. Era claramente um sonho impossível, pensava a gerente, lembrando dos padrões negros e cinzas do capital… mas a menina falava tão cheia de vida que a mulher do dinheiro não soube dizer não. E quando a pequena compreendeu que conseguira, soltou um pio de alegria, subiu na mesa, bateu as asas e saltou janela a fora, arrulhando de emoção.

Sobre Marina Costa

Vegetariana, sagitariana, feminista e humana, emanando energias para que nossa vida nesse cosmo infinito tenha um sentido no fim. Mesmo que seja o de produzir ecos de bons sentimentos e só... Ver todos os artigos de Marina Costa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: