Brasa que abrasa

brasa

O cansaço era flagrante em seu olhar. O adeus estava pronunciado em seu silêncio. O destino arredou-se de seu futuro e partiu consternado com seu passado. Foi. Veio. Voltou. Acabou. Aposentou-se a verdade, abraçou-se a mentira.

Ela fitou-o no buraco negro de seus olhos. Ele engoliu-a com a fome dos devassos. Dos indomáveis. Acordaram. Nada lembravam. Despediram-se. Nunca mais se viram. A memória fragmentou-se em elipses amorosas daquelas que regamos a uísque.

 

Sobre Reinaldo Glioche


Uma resposta para “Brasa que abrasa

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: