Às Doze

vin

Capitu  me dizia que seus olhos eram mesmo de ressaca. Graças a esquizofrenia de Bentinho, ela não vivia sem beber. O pequeno Ezequiel, como boa criança que era, mantinha-se calmo e ocupado em um mundo onde não importava ser bastardo, enquanto a mãe de olhar no infinito, abria outra garrafa de bordeaux. No meio da penumbra daquela sala, na tensão daqueles amores feridos, eu me perdia em desesperanças de um calmo viver. Há que sempre se desejar o que não tem e seguir duvidando do que é bom demais para ser? Machado ergue os olhos sobre o pincenê enquanto Schopenhauer dedilha ao piano uma triste sinfonia solitária. Soam as doze no silêncio da incerteza.

Anúncios

Sobre Marina Costa

Vegetariana, sagitariana, feminista e humana, emanando energias para que nossa vida nesse cosmo infinito tenha um sentido no fim. Mesmo que seja o de produzir ecos de bons sentimentos e só... Ver todos os artigos de Marina Costa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: