A marmita e a corrupção

Aos poucos vai se tornando mais comum a ideia de que, para protestar contra a corrupção, é preciso, pelo menos, não praticá-la nos pequenos gestos do dia a dia. É uma noção acertada se lembrarmos que ninguém nasce político e que, se alguém se deixa corromper na atividade, é certamente porque já não tinha padrões muitos rígidos de moralidade. Não duvidando dessa verdade, gostaria, mesmo assim, de apresentar o dilema da marmita.

Existe, sobretudo nas grandes cidades, uma infinidade de pessoas que trabalham vendendo marmitas nas ruas. Não é uma atividade legalizada, não segue nenhuma norma e ainda prejudica os restaurantes oficialmente instalados. De modo que comprar uma marmita, nessas condições, é moralmente um erro, quando não um crime. Acontece, no entanto, que essas marmitas custam pouco mais de R$ 5 e não é raro que venham com mais de um quilo de comida – muito saborosa, diga-se de passagem. Por outro lado, os restaurantes dessas cidades cobram até R$ 40 pelo quilo da comida. Neles se come, no máximo, 300 ou 400 gramas de uma comida que, invariavelmente, nem é tão boa assim.

Ora, durante uma fase difícil da minha vida financeira, foi preciso economizar dinheiro, do contrário não chegaria até o final do mês. Eis que se apresenta o dilema: deveria eu cumprir a lei e almoçar nos restaurantes regularizados, mesmo sabendo que gastaria mais e que depois iria me faltar dinheiro, ou deveria ceder à oferta dos marmiteiros, sustentar uma atividade ilegal, mas almoçar melhor, pagar menos, e ainda colocar minhas finanças em dia?

Não tive dúvidas e por vários dias fiz de uma marmita clandestina o meu almoço. Se cumprisse a lei, acabaria não almoçando. Estou convencido de que muitas pessoas morreriam de fome se cumprissem a lei. Seria então a lei errada? Não. Já diria o apóstolo Paulo, a lei é boa, santa e justa. É preciso, no entanto, que se tenha condições de cumpri-la. Há casos – não todos – em que a corrupção do dia a dia é antes um problema econômico do que moral.

Anúncios

5 respostas para “A marmita e a corrupção

  • Bia Bernardi

    Que há, sim, um problema econômico, é fato inegável. Mas há também um enquadramento de mentalidades que precisa ser mudado. Você poderia ter feito sua marmita em casa, e então não cederia à corrupção e poderia economizar ainda mais graninha!!
    Há sempre uma saida… Difícil é estar no momento para enxergar.

  • Oliveira Neto

    Quantos e quantos “pequenos” dilemas como este nos são impostos no dia a dia? Haja moral!

  • Aline Viana

    Faz todo sentido do mundo sua dúvida, Henrique! Lembro que muitas vezes comia o cachorro quente do tio da esquina, em vez do lanche da cantina da faculdade, porque era mais barato e me sentia mais satisfeita. Muitas vezes, aqueles que fazem a lei, passam ao largo da realidade dos mais atingidos por ela.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: