As aventuras de quem não bebe

“Imaginem o Henrique bêbado”, de vez em quando alguém solta. E, inevitavelmente, irrompe estrondosa gargalhada, porque é mesmo coisa muito engraçada imaginar o Henrique – o Henrique! – bêbado. Um sujeito tão comedido, tão certinho, como é que se comportaria diante dos efeitos do álcool? É o que todos pagariam para ver, mas a verdade é que não verão nem pagando. Primeiro que o Henrique não bebe. O Henrique tem muitos defeitos, é verdade, um deles o de falar de si mesmo na terceira pessoa, mas beber, beber mesmo, ele não bebe. Já bebeu, duas ou três vezes, e não conseguiu identificar em quê a cerveja seria superior a, sei lá, o guaraná. Não bebe, sobretudo, porque não gosta, mas também por recomendação expressa do seu gastroenterologista. O Henrique sofre de refluxo, esse fresco. Segundo que, mesmo que bebesse, seria bem pouco provável que chegasse ao ponto de ficar bêbado. Está para nascer um regime mais totalitário do que aquele que o Henrique inflige a si mesmo. Disciplina ali é mato. É apenas nisso que o Henrique deixa trair a sua origem de alemão do Deutschland.

Acontece que o Henrique, essa criatura abstêmia que ora analisamos, nasceu em uma daquelas cidades alemãs do sul do Brasil, o que, em outras palavras, significa uma cidade em que se bebe bastante. E não apenas isso: a cidade em que o Henrique nasceu tem a fama de ser a segunda cidade em que mais se bebe no mundo – as más línguas dizem que só não é a primeira por causa dos crentes. Onde duas ou mais pessoas estiverem reunidas, ali estará, tão inequívoca como a morte, uma garrafa de cerveja. A morte, aliás, não deixa de ser também uma oportunidade para beber, pois os familiares do morto costumam pagar uma rodada para aqueles que cantaram, tocaram, fizeram discurso ou algum tipo de homenagem ao falecido.

Como foi que o Henrique conseguiu ficar sóbrio em um ambiente como esse, é coisa que intriga e ainda será objeto de estudo. Certamente não foi por falta de oportunidade e convite. Houve mesmo ocasiões em que o somaram na hora de contar quantos copos de cerveja era preciso trazer. A tudo o nosso herói resistiu, como continua resistindo até hoje, pois não é porque mudou de cidade que deixaram de lhe tentar com os estados alterados de consciência.

Com postura tão impopular, o Henrique costuma quebrar a harmonia dos encontros sociais, pois, além de tudo, ele também não bebe mais refrigerante, obrigando os anfitriões a quebrar a cabeça atrás de algum líquido que satisfaça o paladar da madame – jamais cogitam a água, pois, mesmo nesses tempos de crise hídrica, julgam uma ofensa que alguém, na casa deles, seja obrigado a tomar uma coisa que pode encontrar em qualquer torneira. E, como é possível esperar qualquer coisa de um sujeito que não bebe, não é raro que, em seguida, também lhe façam perguntas das mais disparatadas, do tipo “Mas carne você come, não é?”.

Não bebe, pois, o Henrique, como também não fuma, e a única coisa prejudicial à saúde a que se submete com frequência é mesmo escrever. Um Henrique bêbado não seria muito diferente de um Henrique que escreve – é precisamente isso que ele faz para se soltar.

Anúncios

5 respostas para “As aventuras de quem não bebe

  • Marina Costa

    Beber o Henrique não bebe mas nos embriagar com suas verdades (ou eu deveria dizer nos deixar sãos) isso ele bem que faz!! Eu quero muito conhecer a cidade dele! Porque ao contrário de mim, na primeira pessoa mesmo, dizem sempre “ah, então você não come carne mas bebe né?” (um prêmio para quem me explicar a relação)!

    • Oliveira Neto

      Para um consumo de no máximo 30 g/dia de etanol para homens e 15 g/dia para mulheres, está comprovada a contribuição para a redução da pressão arterial. Fonte: Sociedade Brasileira de Cardiologia.

      • Henrique Fendrich

        Essa informação é até útil para um hipocondríaco como eu, Frank. Aliás, essa seria a única possibilidade de eu beber: recomendação médica. Pois, de resto, o gosto não me agrada nem um pouco.

      • Henrique Fendrich

        E as pressões sociais, está visto que não causam o menor efeito em mim =D.

  • Bia Bernardi

    Confesso: não perde grandes coisas. Digo eu, que bebo, até gosto, mas não faço a menor questão de beber (até mesmo se o assunto for um belo vinho tinto). Para me fazer mesmo feliz, traga-me Fanta Uva.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: