O retorno da titebilidade

Foto: Gazeta

Foto: Gazeta

Assumi o clichê masculino. Depois de duas semanas falando sobre a vagina, elejo o futebol como tema subsequente. Brincadeiras à parte, quem acompanha o futebol e abriga-se sob as hostes do bom senso sabe que há muito pouco a se discutir. O futebol brasileiro anda muito modorrento e pouco inspirador. O futebol europeu ainda resiste como um oásis para aqueles que não conseguem viver sem estar em contato com o bom futebol. Mas também está longe de representar o maravilhamento de outrora.

Em meio a esse descontentamento geral, Adenor Leonardo Bacchi retornou à cena boleira brasileira. Depois de um ano sabático, Tite retoma o comando do Corinthians. Sem entrar no mérito do erro da diretoria de dispensá-lo no fim de 2013, é como se Tite não tivesse partido. Rapidamente reclamou o protagonismo entre os treinadores em atividade no futebol brasileiro e, mesmo com um time que não dispõe do melhor elenco do Brasil (Internacional, São Paulo e Cruzeiro disputam esse título), eleva o Corinthians ao posto de melhor clube do país no momento. Tite hoje é o único a demonstrar unidade tática. Ele sabe montar um time e explorar os recursos que dispõe no elenco de maneira a flexibilizar o modo do time jogar. O sucesso de Tite em um Corinthians bem diferente do que ele conduziu a diversos títulos entre 2010 e 2013 expõe um cenário mais desolador. A falta de reciclagem dos treinadores brasileiros. Muricy Ramalho, por exemplo, está no comando do São Paulo há quase dois anos e ainda não conseguiu dar padrão tático para o time. O jogo entre São Paulo e Corinthians pela Libertadores foi sintomático dessa condição. Muricy por muito tempo gozou do prestígio de ser considerado por muitos, inclusive por este escriba, o melhor técnico do Brasil. Tite, que há pouco mais de três anos, era apenas um bom treinador, demonstrou que um técnico deve estudar e buscar evoluir em consonância com o futebol moderno. Tite voltou com a mesma fala mansa e o jeito professoral de antes, mas já se mostra um treinador com visão muito mais apurada. O ano sabático lhe fez bem, indubitavelmente. A variação tática apresentada pelo Corinthians nos primeiros jogos do ano demonstra que o time tem muito a se beneficiar por dispor de um treinador que respeita o futebol como nenhum outro na atualidade brasileira.

Que ele merecia o comando da seleção brasileira já é pauta superada. O futebol brasileiro é que precisa se mirar mais em Tite.

Anúncios

Sobre Reinaldo Glioche


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: