Dentro do elevador

Por duas vezes aconteceu de eu entrar no elevador e, ao me deparar com pessoas em silêncio, com ar grave e compungido, soltar um “meus pêsames”, em vez do protocolar “bom dia” ou “boa tarde”. A primeira impressão que tenho é realmente a de que alguém morreu. Demoro a perceber que não se trata de um velório, mas do habitual subir-e-descer de quem tem a ventura de trabalhar em um prédio. E ali, dentro do elevador, dou-me conta de que fracassamos, nós todos, como humanidade, como espécie ou coisa que o valha. Porque se estamos tão constrangidos é porque não suportamos ficar próximos a pessoas que não conhecemos. Não somos como os cachorros, que reconhecem uns aos outros e começam a se cheirar. Somos humanos e desconfiados, não nos alegramos por encontrar alguém semelhante a nós. Por isso nos custa tanto andar de elevador.

Ainda bem que inventaram aquelas televisões de elevador, então todos podem erguer a cabeça e se fingir compenetrados, sem obrigação de travar contato uns com os outros. E sempre existe a possibilidade de mexer no celular, mesmo que ele não funcione direito dentro do elevador. Na falta disso, mantemo-nos solenes e distantes, balbuciando alguns cumprimentos para que não nos tomem por mal-educados, e torcendo para que o elevador não estrague.

Outro dia reparei naquele aviso na entrada dos elevadores, dizendo que, antes de entrar, devemos nos certificar de que o elevador está parado no andar. E logo abaixo vem o número de uma lei qualquer. Fiquei pensando: o sujeito não se certifica, cai no fosso do elevador, morre ou se fere gravemente – e ainda tem que responder por um crime!

Há algum tempo eu tive a chance de pegar o elevador sozinho com uma moça muito, mas muito bonita mesmo, que trabalha no mesmo prédio que eu. Precisei disfarçar o meu embasbacamento. Eu nem mesmo tinha coragem de olhá-la. Pois de repente foi a moça bonita que olhou fixamente para mim. E também foi ela quem puxou conversa:

– Tem alguma coisa no seu queixo… pasta de dente, parece…

Anúncios

8 respostas para “Dentro do elevador

  • Oliveira Neto

    Essa história do creme dental ainda rende dividendos literários, hem? Deve ter sido uma experiência marcante. 😉

  • Aline Viana

    Ótemo!
    Se alguém puxasse conversa comigo no elevador seria por um motivo semelhante – especialmente, se eu acabasse de tomar sorvete 😛
    É estranho, mas acho que esse fenômeno tem algo a ver com o prédio, como modelo de construção em si, quem usa prédios térreos, ou sei lá, de dois andares quando muito, geralmente é super fã de socializar com os colegas, rsrs

    • Henrique Fendrich

      Outro dia vi um episódio dos Simpsons em que o Homer precisa fazer o parto de uma mulher que estava com ele no elevador. Aí no final da cena a gente descobre que havia uma terceira pessoa lá dentro, tranquilamente lendo o jornal. “E olhe que eu sou médico!”, diz ele. Desse nível a indiferença das pessoas nos elevadores hahaha.

      • Aline Viana

        Semana passada, Henrique, tinha um homem caído, muito ferido, em um ponto de táxi perto do trabalho do meu namorado. Ninguém se dignou a chamar o Samu. Ligamos pra emergência e o taxista achou super estranho, perguntou se nunca tínhamos visto “um daqueles” antes. Acontece dessas todo dia e eu não consigo me acostumar 😦

  • Andrea Borges

    O principal assunto de elevador é sempre o tempo… “Hoje tá muito quente, né?” “Nossa que calor!” Quando estamos no inverno fala-se do frio. Quando chove, esse é sempre o tema central. E por aí vai…

    Realmente ela te observou bem ao ver a pasta de dente… Pelo visto o embasbacamento foi recíproco… 😉

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: