A descoberta de Clarice

A descoberta de Clarice

 

Não fui leitora de Clarice Lispector. Clarice é e era um ícone já em vida. Alguns aspectos de sua literatura me afastaram – era endeusada por aquele pequeno grupo de literatas com as quais eu convivia. Sempre fui arredia e assim nunca tive o prazer de conhecer a profundidade de sua obra. Até hoje não li nenhum de seus romances. Herméticos, diziam. Fui deixando para lá. Eu tinha dois livros dela – uma seleção de contos e Clarice na cabeceira, que também é uma seleção de contos. Agora tenho quatro e desconfio que minha prateleira de autoras nacionais vá continuar crescendo.

Estou lendo A descoberta do mundo. Falta um tiquinho só para acabar. Reúne os textos que ela escreveu e publicou no Jornal do Brasil, aos sábados, de agosto de 1967 a dezembro de 1976. Não é um livro só de crônicas – seu filho, Paulo Gurgel Valente em nota explicativa garante que esses escritos não se enquadram facilmente como crônicas, contos, pensamentos ou anotações. O que é um pouco tranqüilizador – ela escrevia, não se sujeitava a regras. Nem a denominações genéricas.

Nas orelhas, Sylvia Perlingeiro Paixão, Doutora em Literatura Comparada pela UFRJ, apresenta o livro. Ela retransmite as palavras de Clarice: Na literatura de livros permaneço anônima. Nesta coluna, estou de algum modo me dando a conhecer. O enigma aos poucos vai se revelando. Pois é isso que a crônica faz – revela. Esse trecho está na pequena crônica (12 linhas)- Fernando Pessoa me ajudando Noto uma coisa extremamente desagradável. Estas coisas que ando escrevendo aqui não são, creio, propriamente crônicas (…) Sim, como todos nós, cronistas do RL, ela também tem dúvidas. Não sabe exatamente o que é uma crônica. Por que isso a desagrada? Porque ela sente que nas crônicas o escritor se revela tanto que se torna íntimo do leitor. Eu concordo, de certa forma acabamos todos sendo vizinhos uns dos outros. Ela também teme a popularidade, que devassa a intimidade. Desfaz o mistério. Mas como Pessoa a ajudou? Dizendo: Falar é o modo mais simples de nos tornarmos desconhecidos.

Estou lendo Clarice e gostando. Algumas vezes eu até deixo de gostar.  Desgosto. Alguns textos, para o meu gosto, são até bem ruinzinhos. Mas é a minoria. Pelo menos, do pouco que já li. Clarice passou muitas dificuldades financeiras em sua vida, principalmente depois do fim de seu casamento. Para complementar sua renda trabalhou como tradutora, jornalista e cronista. Muitas vezes usou pseudônimo – Teresa Quadros (Comicio), Helena Palmer (Senhor). Ghost Writer, escrevia a coluna da atriz Ilka Soares no Diário da Noite. Ajudou Alzira Vargas a escrever a biografia do pai, Getúlio. De origem judia, foi despedida do Jornal do Brasil quando Ernesto Geisel foi eleito.

Quanto mais se lê Clarice, mais se percebe o seu mistério e maior se torna o desejo de decifrá-lo. Mas os grandes mistérios nunca se revelam por completo. Ficam no lusco-fusco. No limiar de qualquer coisa. Da descoberta que tudo clareia, da sombra do obscurecimento. Nasceu na Ucrânia e veio para o Brasil com pouco mais de um ano. Chegando aqui, seu pai mudou os nomes de quase todos os membros da família – Clarice, tornou-se Haia, que em idiche significa Vida. Em seu túmulo está escrito – Chaia bat Pinkhas – Haia ou Chaia não consegui descobrir. Bat, filha de PinKhas, que no Brasil chamou-se Pedro. Que também é o nome de seu primeiro filho, esquizofrênico. Casou-se com o diplomata Maury Gurgel Valente e se apaixonou por dois outros homens, que influenciaram bastante sua escrita – O escritor Lucio Cardoso, homossexual assumido. O cronista mineiro, Paulo Mendes Campos, casado. Mas tudo indica que também fosse lésbica. Seu cão Ulisses, companheiro inseparável, mordeu-lhe o rosto. Fumante inveterada provocou um incêndio em seu próprio quarto, com queimadura séria no rosto.

Clarice era uma bruxa. Daquelas bruxas cuja magia nunca acaba. Mesmo depois de morta, continua encantando. E nós, os encantados, buscando com sofreguidão o entendimento que nos livrará desse feitiço.

 

 Maria Olimpia Alves de Melo

Um comentário em “A descoberta de Clarice

  1. Gosto de crônicas de Clarice, não todas, e acho que, por mais que ela não queira (e especialmente os críticos não querem) ela fez realmente crônicas. E não faz sentido que esses mesmos críticos tentem encontrar nas crônicas de Clarice um alto grau de literatura que justifique ela ter feito semelhante gênero. Em geral se fala que “apesar de ter escrito pra jornal”, Clarice isso, Clarice aquilo. Mais do que o seu próprio hermetismo (gozado, Clarice diz que não lia autores herméticos), o que estraga a Clarice são o que os outros fazem dela. Como disse em crônica publicada aqui no blog, ela não precisa que tentem deixá-la mais bonita do que é. E, também, ela não pode ocupar o pedestal de um gênero que é escrito ao rés-do-chão.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s