Aquele tal vestido

Certa vez ela lamentou o fato de seu pai não lhe dar de presente aquele vestido que a Gisele Bundchen usou no último desfile. Disse que era o vestido mais lindo que já tinha visto. Até aí tudo bem, entendo de vestido da mesma forma que entendo de Aramaico. O curioso foi a frase posterior: “Eu ficaria linda naquele vestido…”

Quando a mulher diz algo assim, os homens precisam remeter àquela célebre frase: Mulher se arruma para as outras mulheres. Já a imaginei chegando em uma festa com o tal vestido, e as outras a olhando como se quisessem esganá-la de tanto ciúme. Se for isso, tudo bem. Também entendo de rinchazinha feminina como entendo de Aramaico. Mas e se não for somente isso?

Existem mulheres que sabem perfeitamente o poder que têm sobre os homens. Essas nos fazem de cachorrinho,com coleirinha e enforcadora. Em contrapartida, existem outras que não fazem ideia do encanto que carregam junto a si, e preferem se estereotipar, usando o vestido que tal modelo desfilou, a joia que aquela atriz usou naquela foto na ilha de CARAS. Acho tudo isso meio engraçado.

Não que seja pecado. Na verdade, até é, poderíamos definir como luxúria, um dos sete pecados capitais, mas se isso for fator preponderante na hora do seu julgamento final, pode ter certeza, já estava devendo. Sinistros à parte, tentarei ser sucinto:  Como ainda não percebeu que não necessita de nada disso?

Ah, se soubesse o quão charmosa estava com aquele All Star branco meio encardido, aquela calça jeans com uns desfiadinhos, mas que se encaixa perfeitamente às suas curvas; o topzinho verde que você diz usar somente pra “bater”, deixando o piercing no umbigo à mostra; a caneta amarela prendendo o seu cabelo na altura de um rabo de cavalo, combinando com os seus óculos de grau que insistes em usar somente quando lê, e eu te enchendo o saco pra usá-lo cotidianamente, você diz que estou querendo tirar sarro de  ti.

Se soubesse que morro de felicidade quando estamos presos naquele trânsito infernal, e somos obrigados a nos aturarmos, você com aquele vestidinho comprado no brechó, em vez daquele tal vestido; com aquela sandalinha rasteira no lugar de um caríssimo salto plataforma.  E aquelas pulseirinhas de couro, ao invés de pomposas joias? Sabe o nome disso? Chama-se encanto, simplesmente, sem derivados ou compostos.

São nessas horas que a verdadeira beleza se apresenta. Na hora que você está ali, enxugando o suor do rosto, debaixo daquele escaldante sol; quando compra uma latinha de guaraná e diz: “Putaqueopariu, que calor é esse?!”, e ainda finaliza derrubando a bebida no jeans; olha pra mim e abre um sorriso meio que envergonhado e irritado, como quem diz: “Agora já era, né?” Sim, agora já era, não tem mais volta. Quem mandou se revelar bonita da forma mais encantadora?

Essa é a verdadeira beleza. Vai por mim. Posso não entender nada de moda e de Aramaico, mas de você eu tenho Mestrado e Doutrado, por mais que ainda não saibas.

Anúncios

6 respostas para “Aquele tal vestido

  • Aline Viana

    Não sei essa menina, mas eu pelo menos adorei saber que fazemos mais sucesso com um figurino mais despojado, rsrsrs
    Mas isso do vestido não é tanto para as outras mulheres, a gente gosta de saber e se sentir arrasando 😛

  • Henrique Fendrich

    Também tenho muita simpatia a essa beleza rotineira.

    Tu me lembra o Joaquim Ferreira dos Santos, ou alguma coisa do Antônio Maria, que tinham essas de desvendar o universo mulheril.

  • Ricardo Gomes

    Às mulheres do mundo: se vocês soubessem que a verdadeira beleza aparece sob uma camiseta branca e uma calça jeans, teriam feito uma economia digna de relatório do FMI! Um sorriso bem colocado, a palavra certa que ouvimos no momento incerto, o cabelo que pende sobre os olhos e que somos “obrigados” a afastar são mais poderosos do que qualquer item que depende de um carnê para fazer parte do cenário! Deus e a beleza moram (ou se escondem) nos detalhes mais cotidianos. Esqueçam os efeitos especiais e se atenham à máxima minimalista: menos é mais…sempre!
    Ricardo Gomes

  • Paulo

    As pessoas falam de mulheres como se fossem um grupo fechado… e parece que mulher nunca pode ter a propria vontade: precisa sempre que alguém diga que ela está bonita, seja outras mulheres ou seja os homens. Deixa disso rapaz!

  • Nilva Basilio

    Hummmm… a gente precisa, muitas vezes, do “tal vestido”, sim. Será que vocês não entendem? Homens… todos iguais. (hahahaha)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: